ISSN 2178-499X
Viewing posts categorised under: Editorial

Editorial – Novembro de 2019

by cien_digital in Cien Digital #23, Editorial

Autor: Ilya Mirnyy Imagem: 9building windows

Autor: Ilya Mirnyy
Imagem: 9building windows

Paola Salinas e Síglia Leão

O Cien Digital 23 está no ar!

Neste número, os diferentes trabalhos do Cien Brasil e do Campo Freudiano transitam num tempo lógico.

Logo no início, Daniel Roy e Marie-Hèléne Brousse orientam, em seus textos, o trabalho das Redes da Infância do Campo Freudiano para os próximos dois anos. A partir desta publicação, o CIEN poderá debruçar-se sobre eles, trabalhá-los em português, para extrair dali sua especificidade no fazer dos laboratórios e pensar o tema da Diferença Sexual, desenvolvê-lo, questioná-lo a partir da experiência inter-disciplinar e dos impasses dele advindos.

Em seguida, o texto de Claire Brisson nos traz a discussão sobre o assédio na adolescência, e a entrevista de Damasia Freda nos fala sobre a adolescência no contemporâneo. Ambos apontam para perguntas constantemente presentes na prática do Cien. Prática esta que pode ser lida na rubrica laboratórios.

Ali, temos outro tempo lógico. Recolhemos algumas contribuições levadas para a VI Manhã de trabalhos do Cien Brasil, em novembro de 2018, onde a pergunta sobre “o que falar quer dizer” nos orientava como um modo de pensar a dignidade do sujeito e a violência no que se refere às crianças e aos adolescentes. Desta conversação, extraímos os fundamentos do trabalho como tema que novamente se alojou na ordem do dia e permitiu revisitar cada experiência relatada.

Há ainda um terceiro tempo neste número, de reflexão, de decantar efeitos. Ana Martha Maia nos traz uma pontuação sobre a prática no Cien, o que dela se extrai, sua orientação e o que podemos almejar obter de uma boa maneira, tocando em pontos de dificuldade e de invenção neste trabalho tão caro. Margarete Miranda, por sua vez, aborda a própria revista, nos falando do que se espera de sua transmissão e de sua posição ética.

O ponto de vista de Aline Mendes Aguiar descreve um percurso no Cien Minas, tomando-o a partir de impasses, furos e dificuldades, que puderam se tornar avanços. Tece, no trabalho de coordenação do Cien em seu estado, um fazer de cada laboratório, no ir e vir da articulação da lógica à prática das conversações inter-disciplinares.

Ainda recolhendo efeitos, o Cine Cien se faz presente. “No fio da navalha de um realismo documental”, o filme Capharnaum nos faz testemunhar “problemas de presença permanente no universo das experiências do Cien”. Com o texto de Maria Rita Guimarães, colhemos os frutos da conversação em torno deste filme, de um modo belo e decidido. Esta atividade do Cien tem sua expressão tanto nesta produção textual, como naquilo que carrega de especificidade em sua práxis, para além do debate das diferentes obras cinematográficas. Nesta direção, Giselle Fleury busca mostrar a sutil diferença entre provocar uma conversação e discutir ou debater, ainda que de modo interessante, um filme. Busca cernir o que seria a proposta do Cine Cien, e quais suas consequências por se tratar justamente de uma atividade dentro do Cien.

Por fim, a rubrica História do Cien Brasil, traz um belo texto-homenagem, que apresenta um percurso em sua vivacidade e interesse, realizado por Ana Martha Maia e o professor de teatro Duda Ribeiro, de onde podemos extrair um saber-fazer em um momento delicado de vida.

Cremos que o leitor encontrará, neste Cien Digital, balizas para conhecer, localizar, e se interessar por essa rede de trabalho que se faz a cada encontro, mas que só se sustenta numa transferência de trabalho decidida para além da psicanálise pura, colocando-nos diretamente no meio das diversas disciplinas que se ocupam da infância e adolescência. Neste ponto, seguimos somente com uma ferramenta, o não saber. Que quando bem usada, permite que invenções possam surgir nos diferentes contextos onde os laboratórios se encontram.

Assim, lançamos o convite à leitura e também à pesquisa que atravessará, nos próximos dois anos o Cien Brasil, o Cien América o Instituto da Criança e as Redes do Campo Freudiano sobre a Infância.

Read more

Editorial – Abril de 2013

by cien_digital in Cien Digital #14, Editorial

Sopheap Pich

Maria Rita Guimarães

Caro leitor,

No número inaugural do CIEN Digital dissemos, parafraseando Jacques Alain-Miller1, que sua ambição é “bem aquela de ser o Boletim eletrônico do real”. Desde então nos esforçamos por manter esse objetivo e esse número o comprova, de modo inequívoco. Não menos importante será constatar de que se trata de um objetivo compartilhado por muitos e de muitos lugares. Percorra os textos e veja a extensão geográfica aqui inserida, mapeada pelo fio orientador advindo das questões sobre o real, real das “crianças do real”, real de uma época em que seu ideal prescreve que se encaixe todo o excesso de cada sujeito numa classificação.

Vamos percorrê-lo! Que acha de partirmos de Buenos Aires? Partimos de lá ou vamos para lá? Claro, vamos todos à vizinha Buenos Aires, em 20 de novembro de 2013, por ocasião da Jornada Internacional do CIEN, que acontecerá junto ao VI Encontro Americano de Psicanálise de Orientação Lacaniana (Enapol), mas, primeiramente, partiremos da leitura de sua Apresentação, feita por Fernanda Otoni de Barros Brisset, coordenadora do CIEN no Brasil, com o texto: Prega leve no mundo do furor dominandis. Leia-o atentamente e detenha-se no convite:

As ressonâncias da Conversação de Salvador se farão ouvir no argumento que preparamos para animar a cada um de vocês, em especial, a enviar sua vinheta para esse encontro, cujo tema “Me inclui fora dessa – bússola que cada um inventa”, diz de nossa aposta nas invenções das nossas crianças e adolescentes, no seu saber fazer, em sua decisão apaixonada pelo futuro, se servindo do mestre (me inclui) ao prescindir dele (fora dessa) – traço fundante da juventude de cada época.

Argumento. Vamos nos deixar levar pela chamada ao trabalho produzida pela enigmática frase de um jovem: “me inclui fora dessa”, à qual Celio Garcia concedeu grande valor e para qual nos voltamos para “ler” o que há de saber aí inscrito. No argumento está escrito:

Esta Jornada do CIEN propõe-se ao exercício de nos esburacar, nossas vendas, nossos protetores de ouvidos, para dar lugar às formas variadas, à “varidade” (do sintoma), com as quais nos esbarramos cada vez mais.

Jornada Internacional do CIEN • Buenos Aires • 20 de novembro de 2013

Os indicativos de que a frase “me inclui fora dessa” nos provoca, já se mostram: você encontrará três elaborações da mesma, ressoando a natureza interdisciplinar do trabalho do CIEN. Cristiana Pittella, apoiando-se em Miller, reporta-se à ideia de exclusão interna, referindo-se ao paradoxo de Russel, aquele do barbeiro que “se barbeia a si mesmo, ele não é o barbeiro que barbeia todos aqueles que não se barbeiam: se ele é, não é.” Após evocar Groucho Marx, deixa-nos a pergunta se a frase estudada não indica alguma possibilidade de socialização do gozo e abertura ao laço social.

Como é a abordagem do oximoro “me inclui fora dessa” pela matemática? Fernando Prado introduz-nos no mundo das probabilidades, utilizando-se do evento do lançamento de duas moedas, para nos propor uma interessante leitura dos conceitos de independência, disjunção, intercessão, exclusão.

No trabalho de Hernán Villar encontramos o mito da Hidra de Lerna, que, com três cabeças, Mercado, Ciência e Técnica, obriganos a pensar no empuxo à hiperdisciplina. Através de cuidadoso desenvolvimento de suas formulações, o autor analisa suas consequências em nossas vidas, submetidos como estamos ao comando das figuras acima destacadas. Incluir-se fora das etiquetas apresenta-se como uma bufada de ar fresco para cada um.

Sim, a psicanálise oferece a oportunidade de bons ares ao sujeito, ao mantê-lo ao abrigo da pulsão de morte e lhe conceder a possibilidade de buscar um modo de viver melhor com seu real. Quem nos fala disso é Eric Laurent, na rubrica ENTREvista.

Nela, você encontrará as ideias que o autor apresenta em seu livro A batalha do autismo.

E os LABOR(a)tórios do CIEN? Frutificam seus efeitos e, sobre-tudo, frutificam os esforços do participante/analisante em extrair e formular as respostas que, de sua relação à psicanálise, pôde o-ferecer ao impasse que lhe foi apresentado. Margarete Miranda e Mônica Campos, através de duas preciosas vinhetas práticas, nos demonstram “como a experiência analítica de cada uma lhes serviu de apoio para sua ação levando em conta o real em jogo”2, nas instituições em que trabalham.

E os Laboratórios do CIEN também se frutificam, pois aqui vemos os registros de dois novos Laboratórios em formação, conforme nos relatam Claudia Reis, de Ribeirão Preto (SP) e Mônica Hage, de Salvador (BA). No texto A inimputabilidade e a bússola de cada um, Miguel Antunes nos conta como Ana Beatriz, a jovem etiquetada de “bandida” e destinada a “não ser nada na vida”, encontra seu lugar, um lugar na vida, auxiliada pela prática da Conversação interdisciplinar.

Em Órbita chegamos à Bolívia pela mão de Alexandre Stevens. Com ele podemos conhecer e aprender muito sobre o trabalho ali desenvolvido com meninos de rua. Situação extremamente semelhante ao que acontece no Brasil, encontramos em suas palavras uma generosa transmissão ,à qual nos resta agradecer.

A rubrica CineCIEN oferece-nos a oportunidade de focalizar o filme grego Canino (Kynodontas) à luz do que chamamos a política da psicanálise. Esse estranho filme é uma alegoria que nos conduz, pelo absurdo, ao encontro de uma família que vive num mundo intramuros, descontaminada do laço social, consequentemente, dos efeitos de subjetivação.

E, se chegamos até a Grécia, é hora de pensar em todas, algu-mas, umas, enfim, numa palavra que lhe ficou dessa trajetória. Queremos que nos conte, depois!

Boa leitura!


1 MILLER. Jacques Alain, Lacan voulait même qu’une analyse aboutisse à un théorème. On a laissé à Ornicar? son sous-titre historique, “revue du Champ freudien”. Mais son ambition est bien d’être la Revue du Réel.
2 Nos termos utilizados por Agnès Giraudel, presidente do CIEN francófano.
Read more

Editorial – Novembro 2013

by cien_digital in Cien Digital #15, Editorial

Cy Twombly, untitled (Rome), 1971

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Inclua-se! Não fique por fora da leitura deste número do Cien Digital!

Comemoramos o número 15 com visual novo, navegabilidade fácil, mais atual, mais ágil! Tudo isso pela competência de Dario de Moura que não poupou horas de trabalho e insuperável paciência na tarefa de repaginação do Cien Digital. Manifestamos aqui nossos sempre insuficientes agradecimentos.

Cien Digital chega assim, renovado e bonito para realçar seu propósito: constituir-se como espaço que permita, a cada Laboratório do CIEN, a etapa necessária ao trabalho de pesquisas e intervenções que é próprio ao CIEN _valer-se da  via da escrita para cernir o real em causa na experiência. CIEN Digital, a cada número, reafirma, portanto, sua vocação de ser o boletim eletrônico do real.

Você encontrará, certamente, uma rubrica que lhe agradará, no conteúdo que agora lhe entregamos.

Interessou-se pelo Argumento da Jornada Internacional do Cien que se realizará em 20 de novembro de 2013, em Buenos Aires, publicado no CIEN Digital 14? Neste número 15 poderá ler dois recortes desse Argumento, escritos pela Comissão organizadora da Jornada – na perspectiva etimológica da palavra Argumentum: Argu oferece-nos o sentido de “iluminar” e constatamos como tal cintilação, metodicamente adotada naqueles parágrafos, leva-nos ao ponto fundamental do  CIEN: um vazio de saber onde se experimenta a eficácia de uma Conversação”.

Estávamos ansiosos para que Celio Garcia compartilhasse conosco sobre sua escuta da frase que colocou em circulação e sobre a qual o CIEN se detém para avançar na reflexão e prática. É nessa rubrica que Célio generosamente nos brinda com seu pensamento:  Começo pela expressão me inclui fora dessa. A periferia como lugar de memória do jovem infrator, onde dá prova de grande criatividade. ” Esta frase anuncia a marca orientadora com a qual Celio Garcia nos ajuda a suportar os impasses, a sustentar a política ensinada por Lacan, rumo ao real.

Ainda na Apresentação temos uma alegre notícia para partilhar com você: Fernanda Otoni, coordenadora da Comissão do CIEN no Brasil apresenta-nos o livro: Crianças falam! E têm o que dizer! , dedicado ao relato das experiências do CIEN no Brasil. Deixemos as palavras de Fernanda: “No embalo desse entusiasmo, com muito prazer apresento ao leitor pedacinhos dessa obra recheada com o desejo de CIEN.”

Estamos seguros de que gostará muito de ler, difundir, presentear os amigos com o livro do CIEN!

O desejo de CIEN implica uma política que nos exige rigor frente à “envergadura totalitária” do projeto de avaliação, classificação e determinação biológica a tudo aquilo que “nos ocorra como sujeitos, como humanos, ou melhor, como “trouhumanos” – usando um neologismo lacaniano que condensa trauma, buraco (trou, em francês). ” Encontramos em Hífen um estudo claro e vigoroso dessa questão elaborado por Mercedes de Francisco, psicanalista membro da Escola Lacaniana de Psicanálise do Campo Freudiano e da Associação Mundial de Psicanálise.

Simone Bianchi EntreVista Philippe Lacadée que nos convida a um passeio… diretamente ao real, à escrita do real de Robert Walser. Autor do livro Robert Walser, o passeador Irônico, Lacadée, respondendo às questões que lhe foram formuladas, introduz-nos à leitura que faz da obra /vida de Walser que tem na escrita a sua bússola inventada.

Leandro Katz, 21 Lineas IV, 1972, MoMA

LABOR(a)tórios demonstram o laborare da pesquisa e do encontro com os sujeitos que, em ambas atividades, por meio das Conversações, são acolhidos em sua palavra. Além disso, o ato da escrita que tenta apresentar, da maneira mais viva, os significantes do CIEN, transmite, de modo simples, a difícil tarefa que lhe cabe: “ler” a civilização a partir da lógica que contraria a poderosa inclinação reinante em  verter no universal toda singularidade do sujeito. Os trabalhos “Das nuvens ao que sai do corpo rumo ao que só se inclui por fora”, “Me inclui fora dessa: o analista e o lugar do saber”, “Etiquetagem e apagamento das invenções singulares”, “Do “nada” fez-se Tutti”, mostram-nos isso.

Órbita não poderia estar melhor! Rômulo Ferreira da Silva, após aproximar o CIEN à prática dos cartéis, ensina-nos quais as bússolas que ele pode inventar em seu percurso de vida, revisitadas por ele recentemente, diante do dispositivo do passe. Rômulo recorta sua rica experiência de vida em três momentos do dizer: “Me inclui fora dessa”. Um ensinamento para todos nós!

Marisa Nubile, a partir de sua experiência na área educacional elabora os efeitos nela provocados pelo documentário A Infância sob controle, realizado por Marie-Pierre Jaury. Duas perguntas orientam seu trabalho: “O que o educador tem a ver com aqueles discursos?” e “Em que medida a escola é tocada pelas argumentações dos especialistas?”. Uma elaboração entre as relações entre os diversos discursos nos quais prepondera “o cientificismo que promete explicar o inexplicável e curar o incurável” e a nossa questão humana, como trouhumanos que somos. Leia no CineCien!

 

Boa leitura!

Read more

Editorial – Agosto 2014

by cien_digital in Cien Digital #16, Editorial

Imran Qureshi, Foundations, 2006

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Este novo número traz dois importantes registros da vivacidade com que o CIEN no BRASIL trabalha: a permutação dos colegas que participam de sua Coordenação e o convite a que todos compareçamos à IV Tarde de trabalhos que será realizada em 23 de novembro de 2014, em Belo Horizonte, por ocasião do XX Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, com o título: Trauma e real: o que as crianças inventam?

A permutação dos Coordenadores nos proporcionou nova oportunidade de apresentar, mais uma vez, os princípios de orientação do trabalho do CIEN, através do pensamento de cada participante das Coordenações – tanto daqueles que dão passagem aos estreantes, como desses. Sob a forma de ENTREvista, a palavra de cada colega privilegia um ponto de orientação de nosso trabalho.

Essa orientação você igualmente encontrará no Argumento para a IV Tarde de trabalhos, no qual se reitera que seja um valor “fundamental que os adultos acolham e propiciem as invenções, que tornam possível à criança, uma a uma, um laço com o social.”

Trauma Blitz? Este é o instigante título do texto de Eric Laurent em Apresentação. Você alguma vez pensou no trauma como um livro, como uma música e outras variações? Trata-se de leitura obrigatória, e, certamente, você se aproximará à ideia da experiência traumática que porta a dignidade, o valor da marca singular, tal como nos ensina Mercedes de Francisco, na rubrica ENTREvista.

Trauma e real são objeto do Dossier sobre o cotidiano das crianças e adolescentes nas escolas, desarrimados de apoio para encontrarem um lugar no Outro. Outro da palavra.

Frank Stella, Anabel, 1997

Philippe Lacadée está na rubrica Hífen, com um texto inédito que nos permite o privilégio de, através do ensinamento que nos traz, irmos puxando o fio teórico sobre a questão da vida escolar e seu insuportável. Um fio que pode, não apenas iluminar os impasses da Escola na atualidade, impasses que os trabalhos dos LABOR(a)tórios nos contam, mas, sobretudo, nos permitir localizar, em muitas situações, os momentos cruciais, momentos de risco vividos por jovens e crianças. A perspectiva que a IV tarde do CIEN nos oferece é a de discutirmos qual a modalidade de resposta poderemos oferecer às respostas “inventadas” pelos adolescentes e crianças, após identificá-las. Certamente vamos nos interrogar igualmente sobre os professores – “docentes doentes” – que se incapacitam de seguir sua responsabilidade de adulto em relação ao mundo – para nos lembrarmos de Hannah Arendt -, que se exerceria na função de saber escutar o que veicula a palavra pronunciada por seu aluno. Marion, a adolescente do caso relatado por Lacadée comete suicídio. A professora Martine Lachance, do filme Monsieur Lazhar, igualmente encontra sua saída pelo ato, o único que não falha, segundo Lacan. No CineCien, você pode ler as reflexões suscitadas por essa ficção, desde o ponto de vista de nossas colegas psicanalistas que mantêm grande proximidade com o universo escolar. Não passou desapercebido – como se poderá ler! – que a história contada no filme, mais além da experiência do suicídio, mais além de tratar a complexidade das relações da intrincada rede que forma uma instituição, mais que a elaboração de um luto, busca responder à difícil questão de como afrontar, em nosso ponto mais familiar, mais íntimo, aquilo que nos é estrangeiro.

Desejamos que as ideias apresentadas nesse número lhe permitam o entusiasmo necessário ao trabalho do CIEN!

Desejamos-lhe boa leitura !

Read more

Editorial – Abril 2015

by cien_digital in Cien Digital #17, Editorial

Daniel Arsham, Sideways clock, 2012
Foto: Simone Catto

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Talvez a melhor maneira de lhe apresentar este número do Cien Digital, fosse simplesmente sugerir que você o abrisse, como quem abre um “Kinder Surprise“: uma surpresa, certamente aguardada, mas impensável! Tomemos outra perspectiva: se a evocação do Kinder Ovo veio fácil à cabeça por ser tempo de páscoa e vemos ovos de chocolate por toda parte, apelativos, atiçando os sentidos, sussurantes em nossos bolsos, é que aí, justo na face que se oculta sob a sedução do Kinder Ovo, reside nosso interesse de reflexão no momento. Chocolate? Não! Interessa-nos pensar a criança e adolescente como metáfora do Kinder Ovo, caso pensemos como Zizek que qualificou o famoso chocolate –aliás, de chocolate tem pouco- de metáfora da mercadoria. Assim, nosso assunto, porque é nossa preocupação, é com a criança/mercadoria. Se continuarmos na formulação de Zizek, que cita Lacan “Eu o amo, mas, inexplicavelmente, amo alguma coisa em você mais do que você mesmo, e portanto, o destruo”, temos a noção de objeto a, o agalma representado tanto pelo brinquedo que vem dentro do chocolate (no vazio material do ovo, como um “mais”) quanto pela criança como plus que colma a falta materna, o nada do desejo. A mercadoria perfeita porque ela mesma já é o suplemento capaz de satisfazer as expectativas idealizantes.

A criança no consumo, consumidora, consumida, saturada. Clic em Evento, leia e se inscreva na Jornada Internacional do Cien, cujo título é: Crianças saturadas.Você encontrará, junto ao Argumento,  todas as informações de que precisará para estar conosco em 03 de setembro em São Paulo, por ocasião do Enapol. Se, rumo ao VII Enapol estamos às voltas com a temática O Império das Imagens, publicamos, na rubrica Hífen, a valiosa elaboração de Paula Sibilia: O passado editável – crise da interioridade e espetacularização de si – que nos ajuda a entender, se posso dizer assim, a efemeridade da experiência humana, constantemente deletável, nos tempos atuais.

Paula diz em seu trabalho: “Sempre há um espectador, um leitor, uma câmara, um olhar sobre o personagem que tira dele seu caráter meramente humano. E, para poder existir, ele precisa fervorosamente desse olhar alheio”.

A criança/adolescente foram descobertos pela publicidade como novo target, termo que designa o público de referência a que se destina a mensagem. Um estimulante e rigoroso  estudo desse assunto você vai ler, com o entusiamo que o texto suscita, também em Hífen: Publicidade infantil: o estímulo à cultura do consumo e outras questões.

E o avesso dessa perspectiva, onde  está? Leia a ENTREvista com Nina Krivochein, de onze anos, que nos ensina muito sobre como se pode ser uma criança que escapa às malhas da engrenagem contemporânea. Se a palavra contemporânea convoca a uma sociedade que vive baixo o império das imagens, a linda surpresa é conhecer como jovens de 13 a 16 anos, estudantes de uma escola municipal situada em uma região de “alta vulnerabilidade  de Belo Horizonte”, reagiram ao encontro com a arte de Leila Danziger, na  coleção: “O que desaparece, o que resiste”. Essa experiência está relatada em Labor(a)tórios, mas, lá, você encontra mais!

Por quais paradigmas se orientam e/ou se desorientam  os jovens sob o império das imagens? A obs-cenidade já não conta mais com a barreira do prefixo obs, obstáculo que permitiria a delimitação mínima do privado? Postar foto nua no Facebook, em posição “ginecológica” é “natural” mas, o obs passa à fala. Falar disso é interditado? O texto O real do sexo, a imagem do corpo e seu consumo na adolescência nos deixa a questão.

Os integrantes do Laboratório Trocando uma Ideia nos relatam o que vivenciaram junto a “adolescentes do Centro de Internação que estão cumprindo medida com privação de liberdade por um período que varia de 06 (seis) meses a 03 (três) anos, e possuem, em geral, entre 12 e 18 anos. Eles foram convidados e aceitaram participar de “conversa sobre sexualidade”. Cada encontro, uma surpresa, no sentido da contingência.

Os escritos da experiência de Conversação dos Laboratórios do CIEN a cada vez nos reavivam o valor das palavras de Judith Miller:

José Bechara, Água Viva, 2015

Como finaliza a prática de um Laboratório? É Thaís Morais, do Maranhão, quem nos conta sobre a trajetória do Laboratório Guarnicé.

Vidademerda.com Uma localização que define, através da fala de uma adolescente do filme 17 filles, a vida que levam, mas sobretudo a vida de suas famílias. Querem, naturalmente, se libertar do asfixiante tédio que lhes acena no horizonte. Como respondem? Numa espécie de epidemia histérica, engravidam-se ao mesmo tempo, gestação de um poder tão espetacular que seus ventres adolescentes, carregados de objetos a como os brinquedos que recheiam os Kinder Surprise, parecem não ter que responder à lei da gravidade, tal como os vemos nas magníficas imagens dentro das claras águas em que se exercitam em grupo. Cristina Drummond, nossa colega da Escola Brasileira de Psicanálise , responsável pela coordenação da próxima Jornada  da Seção MG, com o título: O que quer uma mãe, hoje? Maternidades no século XXI – faz uma análise do filme, conduzindo-nos, através de suas palavras, a uma análise do fato real ocorrido em 2008, nos EUA, na interpretação atual das irmãs cineastas francesas. Teresa Mendonça e Simone Pinheiro também nos apresenta sua contribuição ao debate, em indagações pelo sentido do ato adolescente via a maternidade. No Cine Cien!

Por fim, você  notará que a equipe editorial do Cien Digital tem nova composição. Nossa querida colaboradora Fernanda Otoni de Barros-Brisset se despediu: nossos agradecimentos vão para além do tempo e trabalho conosco, para chegar às suas palavras ”estarei por perto.” E damos as boas vindas aos colegas que, a partir do número 17, integraram-se  à equipe , com muito entusiasmo! Ana Martha Maia (RJ), Dário de Moura (MG), Margarete Miranda (MG), Nohemí Brow (PA) e Siglia Leão (SP).

Desejamos-lhe boa leitura !

Nota: o texto de Zizek , numa versão bastante reduzida, pode ser acessado em http://www.angelfire.com/sk/holgonsi/identidade.html

Read more

Editorial – Agosto 2015

by cien_digital in Cien Digital #18, Editorial

Helen Levitt, “New York c. 1943”

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Extra! Extra! Assim os antigos – parece que é uma espécie em extinção – vendedores de jornais – impressos, claro!, apenas eles existiam – anunciavam uma edição extraordinária, fosse pela tiragem avulsa, fosse por uma matéria capaz de provocar efeitos de leitura (e, claro! de leitores) e, às vezes, essa última era a razão da primeira, ou seja, de que houvesse uma nova tiragem.

 

O número 18 do Cien Digital gostaria de relembrar o grito Extra!, por se tratar de uma edição que queremos que lhe surpreenda pela agilidade dos textos curtos, pelo frescor de muitas formulações que encontramos em seus textos e, por que não dizer? – pela notícia em primeira mão – ( linguagem daquela época: hoje como dar notícias em primeira mão, em tempos de tempo real? ) Em tempo real soubemos que, por ocasião do PIPOL 7, em Bruxelas, Claudine Valette-Damase, Presidente do CIEN Francofono convidou a todos: um encontro irrecusável na Livraria do evento para lançamento da brochura “Des enfants parlent! Et ils ont de quoi dire’, edição em francês do livro “Crianças falam! E têm o que dizer” publicado pelo Cien-Brasil.

Não é uma notícia que toca a comunidade de trabalho do Cien no Brasil? Leiam a nota completa, escrita por Ana Lydia e Fernanda Otoni, organizadores do livro “Crianças falam! E têm o que dizer”.

Mas este número do Cien Digital também insiste em convocar cada um de seus leitores ao debate sério, vigoroso e atualíssimo que o Cien propôs para sua VII Jornada Internacional que acontecerá em 3 de setembro, em São Paulo. Crianças saturadas é o anúncio emblemático dos sintomas contemporâneos que se manifestam na vida cotidiana de todos nós, em grande parte sob o manto de graciosa inocência ou da tirania da felicidade1. Ou, por que não dizer?, sob o manto da biopolítica, tal como foi proposto por Foucault.

A gestão da população, inclusive se consideramos as estruturas governamentais que, cada vez mais, tomam a seu encargo questões até então situadas como sendo de natureza privada ( por exemplo, a determinação judicial que “avalia” as condições dos estragos do desejo materno para ratificar ou retirar a condição de mãe junto à criança ), revela-se particularmente destinada às crianças.

Bruce Nauman, Five Marching Men, 1985

Trata-se de uma gestão técnica sob o imperativo da mais absoluta objetividade e objetalidade do ser falante.

“Sim, “Simplesmente, faça-o!” parece hoje a fórmula, tão vazia quanto imediata em sua formulação, com que economistas e políticos, higienistas e científicos alimentam, muitas vêzes, o imperativo do Supereu.” Essa afirmação de Miquel Bassols, – convidado internacional para a Jornada do Cien – ilumina o contexto atual no qual “a economia de nossa época e seus fracassos parecem seguir um roteiro escrito linha por linha por uma instância tão obscena e feroz.” As citações estão no texto que você poderá ler agora, no Hífen, e se chama A voz do Supereu: Just Do It!

Lucíola Freitas de Macêdo, membro da Coordenação do Cien Brasil, também está no Hífen, com o texto Imagem e significante: enlaces e desenlaces. Já teríamos nos perguntado sobre o que advém das novas tecnologias digitais como efeito na prática da palavra? É impossível não ter pressa para lê-lo, até porque a autora nos introduz em sua argumentação por um acontecimento em tempo real, cuja cena está acessível no You Tube.

Cristina Drummond coordena a XIX Jornadas da EBP-MG, O que quer a mãe hoje?, e ENTRE-vista foi registrar suas ideias e reflexões na interface dos campos anunciados pelos títulos das duas Jornadas. A primeira pergunta já indica um link a ser pesquisado: Você encontra uma relação entre o estado de saturação das crianças e o modo como as mães educam seus filhos hoje?

Crianças Amos?  Vejam como elas nos são apresentadas por Adela Fryd em seu artigo publicado no Papers 9, do qual trazemos uma resenha escrita por Margarete Miranda.

Um amo absoluto para nossas vidas chegou para ficar: a chamada Internet das Coisas ( IoTS – Internet of Things and Services ) vai muito além da conexão dos computadores, smartphones, etc, mas potencialmente é capaz de ligar todos os objetos existentes no mundo. De fato, o “tecnopoder” se instala em todos os setores da vida humana, desde a possibilidade de que sua geladeira indique quais os alimentos que estão faltando aos terrores noturnos das crianças que desaparecerão através de um gadget conectado ao smartphone dos pais. Nesse contexto, surge a Hello Barbie! Leia o texto de Maria Rita Guimarães e opine sobre a nova Barbie.

A rubrica LABOR(a)tórios apresenta algumas de suas atividades em pequenos extratos, em um convite a que não deixe de participar do trabalho do Cien nas várias possibilidades abertas pela inter-disciplinariedade. Boa leitura!

Desejamos-lhe boa leitura !


Notas:
1   Conforme o título de um texto de Graciela Brosky
Read more

Editorial – Março 2016

by cien_digital in Cien Digital #19, Editorial

Folkert de Jong, Les Saltimbanques, 2007

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Centro de Investigação e Estudos da Infância e Adolescência – CIEN – tal como está indicado no título em português, mantém o adolescente como objeto de sua pesquisa e prática, orientado pela “concepção que Jacques Lacan tinha das diferentes tarefas que esperava do psicanalista de suas Escolas, para estar, ele disse, à altura de seus deveres no mundo”, como nos ensinou  Judith Miller.

Nessa orientação, nada mais esperado que os efeitos de entusiasmo entre todos que participam e trabalham em prol do CIEN, produzidos pela intervenção de Jacques-Alain Miller no ato de encerramento da 3a Jornada do Instituto da Criança, pronunciada em 21 de marco de 2015. Pouco depois, em 5 de abril, domingo de Páscoa, ao escrever o prefácio do livro de Damasia Amadeo Freda, ele mesmo se referirá àquelas considerações, deixando-nos, em Nota bene, importantes referências para a continuidade da pesquisa Em Direção à Adolescência. Essa intervenção de Miller convida  ao trabalho, logo aceito por Ana Lydia Santiago, a quem agradecemos muito a contribuição e a possibilidade de publica-la. Ela nos aporta os pontos essenciais retirados de sua leitura da orientação de Miller, em duas vertentes:

  • Os aspectos clínicos da adolescência
  • A adolescência na clínica do parlêtre.

Já estamos, portanto, com a pesquisa em andamento, e ainda mais nos animamos por ser, certamente, o tema de trabalho de várias seções da EBP, tal como será para a XX Jornada de Psicanálise-EBP-MG, cujo título, já anunciado na Agenda/2016, é: jovens.com: corpos e linguagens, a se realizar em 02 e 03 de setembro de 2016.

Mas, o que é a adolescência ?

A essa pergunta, Miller[1] responde “que nenhuma definição é unânime. O que é certo existir, seguindo Freud no texto Três ensaios, é a puberdade.” Miller utiliza duas expressões que determinam limites temporais para distinguir adolescência e puberdade:

Terminus a quo que se refere a uma temporalidade a partir da qual se começa a contar um prazo, é referido à puberdade.” A puberdade é o terminus a quo da adolescência. Tem uma realidade cronológica”.

terminus ad quem não possui tal qualidade cronológica, portanto, se há uma realidade para a adolescência, trata-se de uma realidade sociológica. Não se sabe quando a adolescência termina, a não ser seguindo o que dela fala a sociedade.

Através de Em direção à adolescência[2] soubemos do livro de Epstein: The case against adolescence. Se seguimos Miller diremos que se trata de um slogan simpático. Aqui você poderá ler o escrito de Alexandre Stevens, que leva o mesmo título do livro, amavelmente cedido para essa publicação, no qual Stevens faz uma análise rigorosa do pensamento de Epstein. Ele destaca que para o autor há grande infantilização dos teenagers e que tal fato se acha na origem dos fenômenos que surgem na adolescência. É o que nos está confirmado por Miller,[3] ao dizer que Lacan “não está distante dessa ideia, atento como estava aos signos da “intromissão do adulto” no jovem.”

Gregory Euclide, All of your diamonds slipped green points into the ease of not knowing, 2012Gregory Euclide, All of your diamonds slipped green points into the ease of not knowing, 2012

Ainda sobre o pensamento de Epstein, não deixe de ler a contribuição de Ana Martha Maia que destaca o argumento do autor para a afirmação de que a adolescência é uma construção cultural e, igualmente, a ideia dele sobre a responsabilização dos jovens. Ao avesso da infantilização dos teens, uma prática realizada por Paula de Paula, a partir de parcerias institucionais, nos dá o testemunho de como a causa psicanalítica orienta na aposta do desejo do sujeito. Uma intervenção junto aos jovens, em escolas de Belo Horizonte, fundamentada na política do desejo de Freud e Lacan.

Ah, Freud igualmente está conosco através de sua intervenção na reunião de trabalho das quartas feiras, em Viena: exatamente na reunião de 13 de fevereiro de 1907. Tema? O despertar da Primavera, de Frank Wedekind. Uma frase que nos chama a atenção para o que se antecipa à problemática da inadequação sexual: “…direi, e sublinho isso, que as teorias sexuais das crianças constituem um tema que merece ser estudado como tal, ou seja: como as crianças descobrem a sexualidade normal?”

Domenico Cosenza, a quem igualmente devemos agradecimentos não apenas por sua autorização a Cien Digital, mas sobretudo pela precisão de seu ensinamento, nos diz: “O enigma que constitui o inconsciente do sujeito entra assim em jogo no coração do processo de iniciação sexual do adolescente” e classifica esse fato como primeiro tempo lógico, onde existe relação sexual, que é representável em uma cena que inclui o sujeito. Duas perguntas fundamentais: como o adolescente acede a esse primeiro tempo lógico na atualidade? Se não for possível, – agora que já não há véu em torno do enigma- há chance para o segundo tempo lógico -, que seria a inexistência estrutural do papel sexual?

“Do jogo com o véu ao véu arrancado”, de Christiane Page e Laetitia Jodeau-Belle, é extraído – com a gentil autorização das autoras – do livro delas, “A não-relação sexual na Adolescência”, que vai de mãos dadas com o texto de Domenico Cosenza, num diálogo que nos propõe a reflexão sobre a sexualidade do adolescente contemporâneo. As autoras demonstram como os dramaturgos, os cineastas, de Wedekind aos da contemporaneidade, percorrem a temática da não-relação sexual. No entanto, se o “véu levantado não mostra nada” corresponde à época de Wedekind, na atualidade não é assim. Em nossos tempos, com o véu levantado verifica-se a ascensão do objeto na cena. “Questão de época”.

Que palavras e ensinamentos nos trazem duas psicanalistas,cada uma autora de livro recente sobre adolescentes, entrevistadas por Cristiana Pittella para essa edição? Hélène Deltombe, autora de Les enjeux de l’adolescence e Damasia Amadeo Freda, autora de El adolescente actual, com suas respostas às questões que lhes foram endereçadas, nos deixam um fecundo campo de trabalho.

Os Laboratórios do CIEN têm sua prática onde for que uma demanda de trabalho junto aos adolescentes aconteça. Como as questões dessa prática se  apresentam complexas e delicadas, exigem rigor, cada vez mais, em seu debate. Virgínia Carvalho nos deixa um elenco de perguntas que nos colocam na tentativa de respondê-las fazendo jus “à altura de nossos deveres no mundo”.

Desejamos-lhe boa leitura !

 


Notas:

1  MILLER, Jacques-Alain. Prefácio ao livro El Adolescente actual de Damasia Amadeo Freda. Bs. As. Unsam Ed. 2015.

2  _______________ Em direção à adolescência, acesso em http://minascomlacan.com.br/publicacoes/em-direcao-a-adolescencia/

3  O. citada, p.12.
Read more

Editorial – Outubro 2016

by cien_digital in Cien digital #20, Editorial

Alexandre Sequeira

Maria Rita Guimarães

Caro leitor e amigo do Cien Digital,

Este número que agora lhe oferecemos, consagra-se a nos levar por trilhas poéticas e, às vezes, também tortuosas, ao redor dos significantes convocados pelo tema da adolescência: desejo, solidão, laço social. São significantes presentes nos títulos do XXI Encontro Brasileiro do Campo Freudiano – Adolescência, idade do desejo , cujas informações você encontrará no link: http://www.encontrobrasileiro2016.org e da V Manhã de trabalhos do Cien Brasil, Adolescência, Solidão e Laço _ informações, além do site, aqui mesmo! Fazemos-lhe o convite para que se agende já, inscreva-se e esteja conosco em São Paulo em novembro deste ano.

Você decide por onde começar o percurso, mas uma pista é você se deixar guiar pela frase de Jacqueline Dheret, nossa entrevistada: A marca da adolescência é o mais fora da norma de cada um que emerge e que ainda não tomou a forma de sintoma.

Até encontrá-la, leia Biografia não autorizada de um jovem infrator, escrita por nosso querido consultor Célio Garcia, sempre atento e dedicado aos temas dos jovens, sobretudo naquilo que podemos situar como “fora da norma de cada um”. É o ponto essencial do trabalho feito pelo CIEN. O texto de Síglia Leão é orientador em relação à ética dessa prática que visa a possibilidade de abertura ao desejo do sujeito em questão.

A precipitação das mudanças corporais, tudo aquilo que se desorganiza pela irrupção pulsional, evoca o lugar privilegiado que assume o corpo na passagem pela puberdade/adolescência, mais além da importância do espelho. Alexandre Stevens considera várias modalidades de Fazer-se um corpo na adolescência, valendo-se de Joyce, Rothko e Balzac. Parada obrigatória!

LABOR(a)tórios de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo apresentam as reflexões que sustentam o desejo circulante na prática do CIEN. É nesse espaço de entusiasmo rigoroso e levando em conta as soluções aliviadoras e/ou mortíferas/adormecedoras, que os adolescentes inventam para irem da solidão estrutural ao laço social/sexual, que os trabalhos de Ely Silva, Nádia Laguárdia /Claudia Generoso e Margaret Diniz, cada um à sua maneira, devem ser lidos em Contribuições. O Cien Brasil compreendeu logo de início que a narrativa fílmica sempre flertou com o tempo de travessia do ser falante, no intuito de presentificar o sintoma que a adolescência pode incarnar em nosssa sociedade. Cinecien se ocupa de trazer para o debate as manifestações sintomáticas manifestas no despertar da sexualidade e quais os discursos presentes na abordagem do gozo em foco. XXY é um filme argentino, de 2007. Trata-se de Alex, adolescente de 15 anos, que possui os caracteres primários masculinos e femininos: a intersexualidade é seu segredo assim como o de sua família. Comentários sobre o filme e sobre a Conversação que se seguiu à exibição? Vai lá, na rubrica Cinecien! E também se fala de XXY no Ponto de Vista, texto que costura a proposta de pesquisa do Cien em andamento no semestre – O que é ser homem? – tecendo os pontos : eleição de sexo, eleição de gozo.

Boa leitura!

Read more

Editorial

by cien_digital in Cien digital #21, Editorial

Imagem: Olga Ziemska

Paola Salinas – Editora

Permutação não sem história

Este Cien-Digital inicia uma nova série. A partir da orientação da Comissão Cien Brasil (2014/2016), introduzimos a permutação em nosso trabalho. Assim, a edição foi assumida por Siglia Leão e por mim, contando com o comitê editorial composto por Ana Martha Maia, Margarete Miranda e Vania Gomes, e com as consultoras Maria do Rosário Collier do Rego Barros, Cristiana Pitella de Mattos e Fernanda Otoni-Brisset. Essa equipe trabalhará por um tempo definido e se renovará em parte a cada escansão de tempo.

O Cien-Digital objetiva transmitir a experiência do CIEN em sua singularidade, especificidade, que embora sustentada em um percurso de trabalho desde sua fundação, em 1998, se refaz a cada surgimento de um novo laboratório.

Desse modo, o Cien-Digital é um espaço para a precisão teórica de uma prática e para o vivo desta, a qual implica um não saber em seu funcionamento. Um trabalho feito por diferentes, visando possibilitar a introdução de um saber novo, que possa ser construído nas conversações.

É nosso intuito recolher aqui tais produções, bem como as reflexões suscitadas por elas. Assim, o trabalho dos laboratórios, seus questionamentos e avanços que se encontram na rubrica LABOR(a)tórios, são presença fundamental nessa e em cada edição, transmitindo os impasses vividos e, com eles, o fazer do CIEN.

Temos uma breve apresentação do livro Trauma, Solidão e Laço na Infância e na Adolescência – Experiências do CIEN no Brasil, que compõe um registro do trabalho no CIEN.

Do mesmo modo, temos como parte do Cien-Digital contribuições e articulações decorrentes do percurso do CIEN como um todo no campo freudiano, bem como elaborações realizadas que nos servem de orientação. Trata-se da invenção cotidiana na prática das conversações e da presença do interdisciplinar não sem o percurso teórico já feito a esse respeito. A novidade, o furo no saber como causa, e a orientação. Nesse sentido, a rubrica Hifen traz um precioso e preciso texto de Eric Laurent, na localização do (não) saber psicanalítico no âmbito inter-disciplinar. Os princípios também se recolocam na articulação entre o singular e o laço, belamente descrita na ENTREvista concedida por Beatriz Udenio, que nos traz balizas para o trabalho em Buenos Aires na Conversação Internacional do CIEN Americano.

Ainda temos no Ponto de Vista e Contribuições textos que trazem uma reflexão sobre o trabalho e o percurso traçado, em articulação ao trabalho no CIEN. Em Órbita, temos uma interessante discussão sobre o autismo, o ensino e as consequências de se deixar ensinar por cada experiência.

Neste Cien-Digital 21 em especial, que tem a marca de uma novidade, introduzimos uma rubrica nova, História do CIEN Brasil. Aqui pretendemos retomar textos, articulações do trabalho desses anos do CIEN no Brasil que não foram publicadas até então. É interessante notar questões e elaborações feitas em determinados momentos que podem nos servir ainda de orientação, bem como impasses próximos aos do trabalho de hoje.

Estreando essa rubrica temos o laboratório a-Palavrar, que tinha como responsável Maria Rita Guimarães, com o comentário do querido Célio Garcia. Vocês poderão ver que essa rubrica terá antes um Contexto, nos dizendo do trabalho ali apresentado e do momento a que se refere.

Ainda, nossa gratidão a Maria Rita Guimarães e toda sua equipe que esteve à frente do Cien-Digital, alguns ainda estão!

Maria Rita, que soube fazer com um boletim, com um cuidado ímpar. Ainda contamos com ela nesse percurso, e entusiasmadas para seguir adiante, numa novidade sustentada no trabalho de longa data.

Sintam-se convidados a escrever para o Cien-Digital, lê-lo e fazê-lo circular em diferentes e variados lugares, onde a lógica do inter e do hífen do trabalho no CIEN pode ser sustentada.

Read more

Editorial

by cien_digital in Cien Digital #22, Editorial

Hilma af Klint

Siglia Leão – Editora

 

Caro leitor,

Mais um Cien-digital está aí, na rede.

Esse número se apresenta justamente no auge de um tempo fervoroso, em que o discurso é comandado pelo racismo e pelo ódio à diferença, em que a palavra está ameaçada em sua livre circulação. Ou ainda, tempo de um discurso à parte, onde não há palavra, reina a pulsão.

Nesse contexto, como contingência ou interpretação precisa de um momento já anunciado, o tema da VI Manhã de Trabalhos do Cien-Brasil cai muito bem. Seu argumento, que abre esse Cien-digital 22, incide justamente sobre a fala, a singularidade e a diferença; sobre o dizer do sujeito, sobre o ato e a palavra. “Como cada criança e cada jovem pode constituir e sustentar seu lugar frente à intolerância?” é uma das perguntas norteadoras dos trabalhos a serem apresentados no próximo dia 23 de novembro, no Rio de Janeiro.

E qual o estatuto da palavra no CIEN? Outra pergunta norteadora da VI Manhã e principal fio condutor dos diversos textos deste número, que buscaram cingir o que da Conversação faz efeito. Sob esse crivo, convido-os inicialmente à leitura inspiradora e elucidativa do texto de encerramento da Conversação Internacional do CIEN 2017: Os laços sociais e suas transformações, na rubrica Hífen. Ali, Juan Carlos Indart nos brinda com pontuações sobre o estilo de conversação do CIEN, ressaltando que ela produz, nas “encruzilhadas” de um grupo, um deslocamento, uma transformação, compondo um estilo “através do qual se consegue dissolver a tensão pulsional no imaginário”; “uma conversação na qual se intervém para não deixar cristalizar um S1”. Ainda, em suas perspectivas para o Cien, J-C Indart aponta para a “dignidade singular”. Já Beatriz Udenio recupera uma indicação de Alejandro Daumas para precisar o lugar dos laboratórios, “uma cozinha, onde coloca-se a mão na massa, suja-se, e não o palco das “celebridades”.

A partir de então, o leitor pode deliciar-se nas diversas cozinhas brasileiras. Do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, os diferentes Labor(a)tórios testemunham suas experiências e relatam os desafios diários da vida em um abrigo, na escola, no hospital e instituições afins, perguntando-se: como inventar saídas próprias e originais diante dos obstáculos? Como não ser afastado de sua mais intima diferença? Como dizer do próprio desejo, do mais particular no meio da massa? Como operar uma saída da estereotipia institucional? Como trazer os alunos para o laço com a escola? O que se pode diante de impasses resultantes da política do paratodos? Quais as conseqüências para os profissionais de escutar a voz singular de uma criança? E respostas vão aparecendo, sendo tecidas na medida do um a um, quando o arriscar-se toma corpo. Arriscar-se a ir além do que “reza a cartilha”, apostar no savoir-faire de cada profissional e incluindo os desvios do protocolo, permitindo que as questões ecoem fora dos termos tecnocráticos.  Ou ainda, como nos diz Emelice Prado Bagnola, em uma bela construção de seu encontro com o CIEN, na rubrica Contribuições: “permitir que as normas tirassem uma folga para que a experiência com a subjetividade pudesse realizar um plantão de forma singular”.

Na rubrica Historia do Cien no Brasil, Mônica Hage também fala de sua entrada no CIEN, seu instante de ver e as elaborações que se seguiram, com a aposta no corte. O traço da política do Cien seria fazer dos restos, corte na rotina do trabalho dos profissionais, “deixando a experiência aberta, em suspenso a um tempo de compreender” e “inserir a conversação nessa abertura”.

Em Órbita, dois textos nos remetem ao entorno do CIEN, a experiências afins que brotam na cidade, que podem nos tocar e de onde podemos extrair ensinamentos. Na contra-corrente da estrondosa massa midiática, Jon Russo nos fala de sua prática audiovisual interessada no dizer da criança e de sua tentativa de recolher um saber de cada uma delas. Ele nos leva, no passo a passo da criação, a entrar num outro tempo.

Já Ana Lydia Santiago, a partir da rede Zadig, fala da lógica contemporânea do racismo, como apontou Lacan, que “consiste em rechaçar no Outro um modo diferente de gozo”. O convite a diluir a tinta do discurso racista por meio da palavra está lá. Aponta-nos uma arma potente: a conversação. A ‘associação livre coletivizada’ como um discurso que, ao acolher a trajetória singular de uma vida, resiste às ideologias, utopias, ideais e práticas que gravitam em torno da uniformização dos modos de gozo.

Por fim, remeto-os à ENTRE-vista de Daniel Roy sobre a especificidade do CIEN, sua relação com as outras instâncias do Campo Freudiano e sobre nossa VI Manhã. Ele nos lembra que a “coisa violenta” existe para cada um dos seres falantes e retoma Lacan para dizer que “nas instituições onde há ‘em situação variável, uma relação baseada na liberdade’, constatamos que as passagens ao ato são finalmente muito raras”.

Que nos tempos que se aproximam, o CIEN resista, em sua extensão, como um avesso real da vida contemporânea. Que sua vigência permaneça vigorosa!

Boa leitura!

Read more